Renas-Ser

Atualizado: Jun 19



Felizmente, estamos numa era em que se está a explorar muito o auto-conhecimento, a introspeção, a importância do amor, a mudança… E felizmente também, existem cada vez mais pessoas, dedicadas a esta busca e ao recolhimento.

Quando me debruço sobre este tema penso para mim “será a palavra mudança a mais apropriada? Estaremos de facto a mudar? Ou estaremos nós a Renas-Ser? Acabam por ser significados diferentes, se de facto, nos debruçarmos sobre eles.

Quando nos tornamos conscientes da nossa essência, dos seus pedidos, dos seus anseios, dos seus sonhos, estamos nós a mudar, ou estamos antes, a regressar à nossa forma natural? À nossa essência? À nossa “casa”? Por que na verdade existe o relembrar do nosso Ser no seu estado mais puro, e portanto, isso não é mudar é antes renas-Ser

E regressar a casa, à nossa verdadeira natureza, nada tem a ver com uma busca ilusória pela felicidade, não se trata de uma fantasia – trata-se de uma sede doce de quem tem dentro de si a memória bonita, de quem realmente é! Trata-se de querer tocar no nosso lado mais puro,trata-se de saber parar para fazer uma pergunta fundamental – QUEM SOU EU? O QUE FAÇO AQUI? Depois destas questões surgem outras mais como: quando olho para mim o que vejo? O que é que realmente tem valor para mim? O que é me realiza? Me satisfaz?

E é quando temos esta capacidade de parar em nós, que os encontros mágicos com a nossa alma acontecem, e nesses encontros, passamos a compreender que não há mudança, há sim um recordar da essência original que habita em cada um de nós; há um despertar para essa essência divina, há um renas-Ser para algo que sempre “esteve ali” à nossa disposição, à espera de ser ouvido, de ser visto, de ser tocado…De ser sentido…

Parar para entrar na minha verdadeira natureza, parar para escutar, para observar o meu próprio eu, não é de todo uma mudança, é antes uma lembrança de quem sou eu…Afinal quem era esse eu em criança? Como me comportava quando não tinha medos? Impedia-me de falar? Ou era espontâneo(a) e livre? Como se expressava a minha essência numa altura em que não existiam ainda, os pesos das formatações e moldagens?


Renas-Ser é um ato de coragem e de libertação, é não ter medo de nascer de novo, é a liberdade de viver de acordo com quem se É e não com o que outros esperam que sejamos, é a leveza de viver sem “papéis” que representamos para agradar ao mundo exterior, mas que nos afastam da nossa preciosa autenticidade. É a capacidade de dizer não quando o coração nos pede esse não, é a capacidade de dizer sim, quando é um verdadeiro sim, é a capacidade de seguir caminhos em que ninguém acredita, mas que a nossa essência grita “É POR ALI! VAI, NÃO TENHAS MEDO!!!”

Renas-Ser não implica que tenhamos que ser felizes a toda a hora, implica antes, que sejamos verdadeiros e reais…a felicidade é uma consequência das nossas escolhas diárias… Renas-Ser implica que tenhamos a “ousadia” de ser honestos com a verdade que vibra nos nossos corações, é a ousadia de retirar camadas e de nos sentirmos bem e completos na nossa pele, sem acessórios, sem fatos, apenas despidos e leves, por caminharmos de acordo com a nossa natureza e com o que ela nos pede.

Hoje, que te encontras a ler este texto, eu peço-te, para uns minutos do teu dia, e nesse precioso tempo pergunta - QUEM SOU EU?


E mesmo que surjam dúvidas ou medos, não fujas, fica contigo…Fica com quem és AGORA, mas aprecia esse Ser, ouve esse Ser, toca nesse Ser. Depois, permite-te a mais uma questão – O QUE POSSO FAZER POR MIM HOJE?

O que podes fazer por ti hoje? Venha a resposta que vier, faz o que tens a fazer por ti, lembrando-te que em mais um dia que nasce, tu podes igualmente renas-Ser… Deixa os raios do teu sol brilhar, sem restrições …permite-te relembrar quem és tu, o que fazes aqui, para onde queres ir…Só precisas assumir essa verdade divina que vibra dentro de ti, para te recordares da tua verdadeira e preciosa natureza!

Bom dia e boa “dieta”.

© 2020 by Rute Caldeira. Proudly created by JL & Co.